Transtejo mantém horários de serviços mínimos nas ligações a Cacilhas e ao Barreiro

Transportadora indica que a oferta atual “dá resposta ao nível de procura que se se está a registar e cumpre o limite de passageiros transportados em cada viagem”.

 

A Transtejo Soflusa (TTSL) repôs esta quarta-feira, 6 de Maio, os horários completos nas ligações fluviais do Seixal e do Montijo, que tinham sido reduzidos pouco depois de ter sido decretado o estado de emergência.

No entanto, a empresa que assegura as travessias fluviais entre a margem sul e Lisboa mantém, de momento, os horários de serviços mínimos (em vigor desde 23 de Março) no que toca às ligações a Cacilhas e ao Barreiro.

Questionada pelo ALMADENSE, a empresa indicou que a oferta atual “dá resposta, com folga confortável, ao nível de procura que se se está a registar e cumpre o limite de passageiros transportados em cada viagem”.

Todavia, a mesma fonte garante que a TTSL “mantém a constante monitorização do número de passageiros que viajam nos diferentes períodos do dia a fim de, caso se justifique, ajustar a oferta de cada ligação fluvial, em consonância”.

 

Máscaras à venda nos terminais fluviais

Desde segunda-feira que a TTSL disponibiliza equipamento de proteção individual em máquinas de venda automática instaladas nos vários terminais fluviais. A iniciativa pretende garantir que todos os passageiros cumprem a obrigatoriedade da utilização de máscaras nos transportes públicos.

Na sequência do fim do estado de emergência, a empresa também aumentou a lotação máxima em cada navio de um terço para dois terços do total, sendo que a ocupação dos navios é “controlada através da contagem de passageiros, efetuada sempre que estes transpõem o torniquete para acesso à sala de embarque”, informou em comunicado.

A Transtejo também tem estado a sinalizar o perímetro de segurança no pavimento de todos os navios, de forma a sensibilizar os passageiros para a necessidade de “cumprir com a distância física de segurança”. Com a transição para o estado de calamidade, também a validação de todos os títulos de transporte voltou a ser obrigatória.

 

“Transportes públicos não podem ser foco de insegurança”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *