Elogios e queixas no arranque da Carris Metropolitana em Almada

Utentes destacaram os novos autocarros como melhoria, mas apontaram falhas na informação sobre as novas linhas, criticaram a eliminação de carreiras e redução de horários. 

 

A Carris Metropolitana teve um início marcado por pontos positivos e negativos em Almada, esta sexta-feira, dia 1 de julho. Se muitos utentes se mostravam satisfeitos com a estreia dos novos autocarros, referindo o “conforto, bom estado dos veículos e o ar condicionado”, outros lamentaram a falta de informação, a alteração de rotas e a necessidade de realizar transbordos para chegar ao destino.

Apesar de um arranque menos conturbado do que o ocorrido há um mês na Área 4 (Alcochete, Moita, Montijo, Palmela e Setúbal), o início da operação em Almada deixou muitos passageiros desorientados. “Para vermos os horários temos que ir à internet, porque não estão disponíveis em todas as paragens”, disse Vanya Silva ao ALMADENSE.

Alguns utentes —como Amílcar Costa, utilizador habitual da Sulfertagus— desconheciam mesmo a mudança para a Carris Metropolitana. “Quero ir para a Sobreda e agora não sei como, não sabia desta alteração. Eu tenho tempo para descobrir o autocarro, mas para quem não tem, fica difícil”, contou.

Em Cacilhas, a principal queixa dos utentes prendia-se com a falta de informação, uma vez que os horários e percursos não se encontravam afixados naquele que é o maior terminal rodoviário do concelho. “Quero ir para o Laranjeiro, mas não sei que autocarro apanhar”, afirmou Ana Maria, enquanto procurava ajuda entre os profissionais rodoviários.

Questionados pelos passageiros, muitas vezes os motoristas não conseguiam aconselhar os utentes sobre linhas que não operam. Outras vezes, recomendavam a realização de transbordos para chegar ao destino pretendido, o que não agradava aos passageiros.

Utente habitual das carreiras para a Marisol, Maria da Fé ficou descontente com as alterações nas introduzidas com a nova operação. “De manhã tive que ir a pé para o trabalho porque o autocarro não veio ou estava atrasado. Esta nova carreira para Marisol não passa nas mesmas paragens”, contou, acrescentando que com o novo percurso fica a “três quilómetros de casa”.

De resto, na Charneca de Caparica o desagrado dos utentes em relação às alterações anunciadas para a linha 151 (Charneca – Marquês de Pombal), levou mesmo à reposição temporária dos horários da TST, informou a União de Freguesias da Charneca da Caparica e Sobreda.

O impacto da estreia da Carris Metropolitana fez-se sentir também ao nível das ligações ferroviárias, com utentes a revelarem ao ALMADENSE que o comboio Fertagus circulava esta sexta-feira “mais cheio” do que habitual, devido ao fim das carreiras para o Areeiro. Tendo em conta a maior afluência de passageiros, a Fertagus alargou o horário dos comboios duplos, que integram oito carruagens. 

Apesar de apreensivos, alguns utentes mantêm a esperança de que o transporte melhore quando estiver estabilizado. João Andrade, passageiro habitual das ligações entre Cacilhas e Charneca da Caparica, é um deles. “Espero que a Carris traga uma melhoria de serviço”, assim que acertarem “os horários” e alguns “problemas iniciais”, afirmou.

 

Divulgados horários das novas linhas da Carris Metropolitana em Almada, Seixal e Sesimbra

Apoie-almadense

24 Comentários

  • Julho 2, 2022 at 7:36 am
    Permalink

    Meus caros, não se fica por aí. A população de Porto Brandão, que tem habitantes maioritariamente na faixa etária dos 60 anos, deixou de se poder deslocar ao centro do Monte de Caparica, onde tinham acesso a quase todos os serviços através da extinta carreira 146 (Porto Brandão – Banática). Agora com a carreira 3034 (Porto Brandão – Quinta do Texugo), têm que descer numa paragem junto à FCT a 600/700 metros do centro da vila. Para além de o trajeto ser completamente estapafúrdio e de utilidade nula, os horários foram muito reduzidos e não estão em conformidade com a hora de passagem do barco da Transtejo, prejudicando também os utentes que, como por exemplo, trabalham em Belém, e neste momento têm que se deslocar para a estação do Pragal e apanhar o comboio da Fertagus.

    Responder
    • Julho 2, 2022 at 12:41 pm
      Permalink

      Eu apanha o 129 e o 130 que foram adoptados para um só autocarro: o 3030. Quando apanhava o 129 tinha autocarros de 30 em 30 minutos. A partir das 17h o 130 tinha carreiras de hora a hora a partir das 17h. Agora temos o 3030 com carreira as 17h e depois só às 19:50. É inadmissivel. Eu vou buscar a minha filha à escola. Caso não consiga apanhar o das 17h, como ontem aconteceu, só tive autocarro passado 3 horas para me deslocar até casa na praia da mata. Não se compreende estes horários.

      Responder
    • Julho 2, 2022 at 8:56 pm
      Permalink

      Meus caros, é de lamentar que as pessoas que fazem estas alterações não peçam opinião a quem utiliza os transportes públicos, como por exemplo as alterações da carreira para o Porto Brandão. É de lamentar imenso e também que alternativa que era o autocarro 1C agora só para turistas mesmo ou então para quem não trabalha fins de semana. Como podem pôr carreiras novas e novos horários sem perceberm nada de nada? Só mesmo neste país. Qualquer país civilizado tem transportes publicos que facilitam a vida às pessoas. Aqui somos nós que temos que apanhar uns quantos para ir trabalhar. Ou seja, quando chegamos já estamos cansados.

      Responder
    • Julho 4, 2022 at 6:47 am
      Permalink

      É uma tristeza! Tanta construção nova em Porto Brandão para depois deixarem morrer a zona ao tirarem os acessos. Só falta mesmo acabarem também com os barcos.

      Responder
      • Julho 4, 2022 at 6:45 pm
        Permalink

        Gostaria que me divulgassem qual é atualmente a carreira de parte de Cacilhas e que passe no Feijó? Visto que o novo site é tudo menos intuitivo. Sem mais assunto, obrigado.

        Responder
  • Julho 2, 2022 at 12:06 pm
    Permalink

    Não era suposto as populações ficarem pior. Sempre se pensou que seria uma grande melhoria, o que não está a acontecer. Como podemos ir do Monte de caparica para Cacilhas se as carreiras que faziam esse percurso, carreiras que vinham da Marisol, Fonte da Telha, Trafaria e Costa da Caparica deixaram de o fazer e sem alternativas? Sendo uma zona muito populacional, com utentes numa faixa etária para lá dos 60 anos, muitos com mobilidade reduzida? Não estava bem mas resolvia… Agora ficou MAU, muito mau. Esperamos que quem fez o estudo comece a corrigir porque a população merece esse respeito.

    Responder
    • Julho 2, 2022 at 2:49 pm
      Permalink

      Boa tarde gostaria de deixar aqui a minha condolências para quem nos tirou os percursos dos autocarros e os horários, pois tenho que andar a pé as 05h30 da manhã durante 15 min para apanhar o metro porque retiraram os autocarros 127 e 124 que aos fins de semana passavam. Agora não tenho. Fico sem perceber como mudam os autocarros da linha 3 para o fim de todos os bairros, onde existem trabalhadores e idosos que necessitam de se deslocar para o trabalho e os idosos para as suas compras, etc. É uma vergonha o que fizeram. Pensei que iria melhorar, mas enganaram as pessoa, a Câmara e o Governo que pensem bem e reponham os autocarros não era necessário mudarem os percursos, visto que o maior movimento de pessoas é no centro não no fim dos bairros.

      Responder
      • Julho 4, 2022 at 7:07 pm
        Permalink

        É muito triste o que estão a fazer. Trocaram as rotas e os horários. Agora tenho que andar de 15 a 20 minutos pra poder apanhar um autocarro, sendo que antes eram só 5 minutos. Mas fazer o quê? A população que precisa não pode fazer nada.

        Responder
  • Julho 2, 2022 at 3:41 pm
    Permalink

    Trabalho na Av de Roma. Apanhei um autocarro para o Pragal que demorou 50mn. Depis apanhei o comboio para av. roma. Ao todo 1h e 40mn. Ou seja, antes ao sabado demorava 50mn. Isto é que é melhorar? Não se trata de ajustes, mas sim de bom senso que falta aos políticos.

    Responder
  • Julho 2, 2022 at 3:50 pm
    Permalink

    Realmente, se fosse para piorar, melhor deixar do jeito que estava. Do que adianta melhorar o estado visual do sistema, se não funciona o necessário??? Mesmo mau!!!!

    Responder
  • Julho 2, 2022 at 5:51 pm
    Permalink

    O pior não são os números novos, mas sim as novas trajetórias e os autocarros que simplesmente deixaram de existir. Na minha rua, por exemplo, já não há autocarros e agora as pessoas têm de andar uma longa distância para os conseguir apanhar porque todos foram parar lá onde o metro já passa e aqui onde não havia nada além de autocarros, tiraram-nos. Isto está a bela de uma porcaria. Podiam mudar os autocarros, mas não tinham que mudar as trajetórias, tirar autocarros (por exemplo 103 e o 125 não existem mais nos novos autocarros, sendo que sempre estavam cheios) nem diminuir os horários. Eu estou indignada de com o 2c agora vai para Cacilhas qual o sentido? Foram tão apressados que fizeram uma porcaria das grandes.

    Responder
  • Julho 2, 2022 at 7:58 pm
    Permalink

    Muito triste, porque só passa uma carreira em frente Almada fórum? Uma pessoa é obrigada a ir pelas traseiras, porque retiraram carreiras como Almada Fórum para a Costa de Caparica para colocar apenas 1! Desiludida é pouco para os que dependem dos transportes públicos, uma confusão! Que nem os próprios motoristas estão a fazer as carreiras como deve ser e ainda respondem mal quando se vai perguntar algo. Hoje foi um exemplo: do Pragal para Almada fórum, era para sair às 8:40 saiu às 8:50, e o motorista ainda respondeu mal, a dizer que a população parece umas baratas tontas e não sabemos procurar na internet. Ridículo, ridículo, fiquei sem palavras.

    Responder
  • Julho 2, 2022 at 8:27 pm
    Permalink

    Não faço ideia de quem faz os estudos para estes horários, mas uma coisa é certa não são de certeza pessoas que andam de autocarro. Eu moro na Sobreda e trabalho ao fim-de-semana. Costumava apanhar o 1C. Agora ao Domingo só tenho carreira às 10:00 horas. Devem pensar que todos trabalham onde moram. Os horários que existiam não eram perfeitos, mas serviam as pessoas que trabalham. Em vez de inventarem deviam era manter o que havia e tentar melhorar, mas ouvindo os clientes/passageiros desses mesmos transportes.

    Responder
  • Julho 2, 2022 at 9:08 pm
    Permalink

    Constato que quem fez estes novos horários e trajetos deve ser alguém iluminado, mas com as lâmpadas fundidas. Também deve ter algo contra, pelo menos, a freguesia da Sobreda e de quem trabalha e tem que se levantar cedo. Além de suprimirem as carreiras do antigo 1C, que vai da Charneca para a Estação de Corroios fazendo as pessoas terem que se deslocar a pé durante mais ou menos uma hora porque nem todos têm viatura própria, também suprimiram o antigo 197 que ia para o Pragal e permitia ficar perto de uma paragem para Lisboa. Isto são apenas alguns exemplos de como não se devem fazer alterações sem consultar os utentes. Nem todos têm empregos ao pé de casa com carro à disposição e passam o dia sentados num gabinete sem ter a mínima noção da realidade do que é ter que se deslocar para o trabalho de transporte público. Isto devia, como foi muito publicitado, ser uma mais valia para a população em geral, mas está visto que afinal foi um bela porcaria. Típico de quem vive num mundo diferente e não tem noção da realidade, fica muito bonito na TV, mas no terreno é uma bela m….

    Responder
    • Julho 3, 2022 at 4:28 pm
      Permalink

      Está uma porcaria, não há autocarros na sobreda. Tenho que andar cerca de 1h para a estação mais próxima. Já era difícil haver autocarros, com essa nova mudança está terrível. Deveriam antes de fazer qualquer alteração, pedir opinião ao público, porque muitos são dependentes de transportes públicos…

      Responder
  • Julho 2, 2022 at 10:06 pm
    Permalink

    Reposição imediata dos horários e trajectos o 3022 não pode ser de hora a hora pois é a única carreira que passa na Vila Nova. É inadmissível, sobretudo para quem trabalha em Almada, ter que parar no Pragal por 3 Paragens para chegar a Almada. O que levava 35 minutos leva agora 1 hora ou mais se fizerem todas as carreiras. Marina Pinto

    Responder
  • Julho 2, 2022 at 11:33 pm
    Permalink

    A carreira 133 que fazia alto do indio Cacilhas via Feijó e que levava os miúdos para escola deixou de haver. Qual é a alternativa? Por favor, o meu filho anda a fazer as provas do 9º ano e todos os dias pelos vistos vai ter de ir a pé até ao Feijó por não ter autocarro.

    Responder
  • Julho 3, 2022 at 12:24 am
    Permalink

    Não é por falta de utilizadores que suprimiram troços e carreiras. Quem regressar de Lisboa, quer de barco, quer de comboio Fertagus, não tem transportes a partir das 22h30 para chegar à Costa da Caparica. Deixou de haver, entre outros, o autocarro das 0h45. E assim só às 6h00 do dia seguinte. Não sei qual foi a ideia de quem planificou, mas veio estragar a vida às pessoas mais fragilizadas da sociedade a nível social, saúde, trabalho… que não têm alternativas.

    Responder
    • Julho 3, 2022 at 5:30 pm
      Permalink

      Desde o dia 1 de julho paguei o passe para andar a pé. Dantes para ir para a Sobreda tinha várias opções desde os autocarros que passavam no Lazarim. Como os da costa de Caparica ou os que iam para a charneca. Ou então o 120, o 197, o 133 e o da Fertagus para o Pragal. E ia gerindo os meus horários de acordo com estás carreiras. Agora tenho que ir da estação do metro da Filipa de água para a Sobreda a pé. E todas as carreiras que porventura passam pela Sobreda demoram horas a chegar lá. Ou seja, voltei 30 anos atrás quando só havia um autocarro de hora a hora. Como tenho turnos a sair de Lisboa as 24h00, já estou a ver: ou fico a dormir no trabalho ou então vou a pé para casa. Pois nem todas as pessoas podem andar de carro. Estou a pensar pedir a devolução do dinheiro do meu passe, pois não consigo andar nos autocarros.

      Responder
  • Julho 4, 2022 at 6:39 am
    Permalink

    Autocarros mais modernos sim, mas sempre atrasados nos horários, que não conseguem cumprir. A maior parte das vezes temos que chamar um táxi para poder chegar a horas decentes no trabalho e, mesmo assim, consegue chegar primeiro que o autocarro… Motoristas com muita falta de informação sobre o que está a acontecer no incumprimento dos horários e no seu trabalho em geral… mais profissionalismo por favor, para que todos os passageiros possam cumprir com as suas obrigações profissionais a tempo e horas!!

    Responder
  • Julho 4, 2022 at 2:58 pm
    Permalink

    Acabaram com o 151 para o Marquês de Pombal. A Charneca foi a freguesia mais prejudicada… ainda mais do que já estava. O desespero de manhã é total, com transbordo na paragem da portagem para apanhar qualquer autocarro para o marquês. Como é que acabam com a carreira que tinha mais procura? Não existe nem no verão nem nas férias escolares. Mas não são os alunos que usam essa carreira. São pessoas que trabalham todos os dias em Lisboa!! Reponham a carreira do Marquês de pombal já!!! O problema da margem sul aão os transportes para Lisboa!!

    Responder
  • Julho 4, 2022 at 4:28 pm
    Permalink

    Lamentável na Charneca de Caparica os autocarros 123 serem retirados. Por causa da bela condução dos motoritas, que mais pareciam conduzir uma carroça de animais do que autocarros, tive 2 incidentes, que me privaram de uma mobilização normal, tendo afetado coluna e pernas, e traumatismo craneano. Como tal, a via direta da 123 levava-me a todos locais que me serviam, quer para trabalhar, quer para ir ao habitual local de compras e mesmo a amigos e familiares. Agora com as dificuldades em andar, tenho que apanhar dois transportes: um até ao Feijó e outro para a Cova da Piedade, e outras duas para regressar. Ao fim de semana sempre saí pelas 8h da manhã e agora tenho que adiar a saída para depois das 9h por não passar autocarro (e não ter meios como sair da charneca, cujos percursos fazia já diariamente há 20 anos). Novamente para fazer a ligação entre as duas camionetes no ponto de intercessão (Feijó), para regressar a casa temos que esperar quase uma hora. À noite se tiver que ir a casa do meu filho depois das 8h não posso, tenho que permanecer em casa por já não ter transporte. A camionete que tinhamos à porta e que ia à praia Fonte da Telha também foi desviado o percurso, distando uns dois ou 3km, em que não me posso deslocar. Sensação de indignação, de raiva e de frustração, comum a muita gente. Se queriam melhorar a frota com melhores condições, nao tirassem dois dos principais meios de ligação a várias localidades diretas.

    Responder
  • Julho 10, 2022 at 9:51 am
    Permalink

    O que está a acontecer é absolutamente ridículo e a Câmara e Juntas de Freguesia, que com toda a certeza estiveram envolvidas, não dizem nada e saem de fininho. O que se passa não é só com os horários e os percursos. O que se passa é borrifarem-se para os munícipes e fregueses: é só seguir o percurso “requalificado” desde a Tremoceira até ao Lazarim e observar (passadeiras de peões, sinais, passeios, estacionamentos, segurança, etc, etc). E a obra mais necessária não foi feita (substituição da conduta da água).

    Responder
  • Julho 19, 2022 at 3:32 pm
    Permalink

    O que está a acontecer é uma POR= Kaa =RIA= de Autocarros = escarros=

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.