Moradores pedem suspensão da intervenção no eixo central de Almada

Um grupo de munícipes teme que a intervenção prevista para o eixo central de Almada represente um aumento do tráfego automóvel, tendo lançado uma petição que pede a abertura de um “processo de discussão pública” sobre o projeto.

 

O projeto de requalificação da via principal da cidade, anunciado pela Câmara Municipal de Almada, está a gerar preocupação junto de um grupo de munícipes, que pede a abertura de uma discussão pública sobre as mudanças urbanísticas previstas. Em causa está uma empreitada que, tal como o vereador responsável pelo pelouro da mobilidade, Miguel Salvado, avançou em entrevista ao ALMADENSE, prevê a reabertura ao trânsito de duas rotundas, o aumento das vias de circulação rodoviária e a diminuição do tamanho dos passeios.

Alterações que, no entender dos moradores, “privilegiam o acesso automóvel ao centro da cidade em deterimento acesso pedonal e ciclável”, e que levaram à criação de uma petição que pede a “suspensão da proposta de requalificação do Eixo Central da cidade de Almada” e o início de “um processo de esclarecimento e discussão pública”, que soma já perto de 400 subscritores.

 

“Defendemos o envolvimento dos residentes no processo de decisão”, explica ao ALMADENSE Filipa Vasconcelos, residente em Cacilhas e uma das impulsionadoras da petição. “O projeto vai mexer com a vida da população que ali reside e não foi discutido com os moradores”, aponta, lamentando que a proposta “não demonstre uma preocupação com a mobilidade ambientalmente sustentável”.

“Um projeto desta envergadura deveria necessariamente ser alvo de discussão pública”, assinala, por sua vez, Carlos Guedes, deputado independente na Assembleia Municipal de Almada. Para o responsável, também subscritor da petição, a intervenção “não parece promover a descarbonização e vai em sentido contrário em relação ao que está a ser feito em Lisboa e outras cidades da Europa”, argumenta, em declarações ao ALMADENSE. Neste momento “há mais dúvidas do que certezas sobre os planos do Executivo municipal para o eixo central da cidade”, afirma, sublinhando que o principal objetivo é “conhecer o projeto”.

 

Virar (de novo) a cidade do avesso

O eixo central de Almada reabriu ao trânsito em 2012, altura em que as avenidas D. Nuno Álvares Pereira e D. Afonso Henriques passaram a “zona mista”, depois de terem funcionado como zona pedonal desde 2008 (ano em que também entrou em funcionamento o metro de superfície). Uma alteração ainda recente, que leva Filipa Vasconcelos a defender que “não se pode virar a cidade do avesso de dez em dez anos”. Por isso, duvida que a intervenção prevista seja uma prioridade, tendo em conta, nomeadamente, a “necessidade de requalificação de outras zonas da cidade” e de “criação de uma verdadeira rede ciclável” no concelho.

Quando estamos a cerca de seis meses das eleições autárquicas, “o que deveria acontecer seria que os partidos colocassem nos seus programas que ideia têm para a cidade”, para que as pessoas “possam escolher”, argumenta, por sua vez, Carlos Guedes. Neste momento, o que vemos no concelho de Almada são “várias obras no terreno sem uma ideia estrutural subjacente”, defende. “As pessoas precisam de conhecer os planos para se poderem pronunciar”, adianta.

Questionada pelo ALMADENSE sobre a possibilidade de suspensão e discussão pública sobre o projeto, fonte da Câmara Municipal de Almada adiantou que “a primeira fase desta obra já se encontra em fase de lançamento de concurso, após aprovação em reunião de câmara”. Ainda assim, a mesma fonte adiantou haver “espaço para melhorias à proposta apresentada, desde que em concordância com o protocolo aprovado com o MTS e o IMT”.

 

Almada Innovation District: 800 milhões de euros para criar uma “nova cidade” na margem sul do Tejo

8 Comentários

  • Março 17, 2021 at 8:03 am
    Permalink

    Incrível. Todas as cidades europeias estão a dificultar os acessos à circulação automóvel, quando Almada vai no sentido inverso e quer incentivar a entrada de mais!! Querem voltar ao século XXI!

    Responder
  • Março 17, 2021 at 8:25 am
    Permalink

    O anunciado projecto de reversão do eixo Cacilhas- Centro Sul significa um retrocesso na vida da cidade. Devolver automóveis às ruas é exactamente o conceito contrário ao que esteve na origem do actual e cujo único objectivo é propaganda politica. A introdução de ciclovias é uma obra pouco intetessante e que não enche o olho, o actual executivo entende que deve esturrar dinheiro numa obra completamente desnecessária para ganhar votos. No minimo há que pôr o assunto em discussão publica.

    Responder
    • Março 17, 2021 at 4:49 pm
      Permalink

      Por favor, alguem dê um Lego aos edis.
      Sempre sai mais barato aos munícipes.

      Responder
  • Março 17, 2021 at 12:40 pm
    Permalink

    Este projecto é mais um para queimar o dinheiro dos contribuintes, sem trazer mais qualidade de vida para a cidade.
    Penso que em grande parte isto acontece, pois em grande parte dos executivos das nossas autarquias, tem pouco a ver com as nossas cidades, pois o importante é gastar para aparecer obra feita.

    Responder
  • Março 19, 2021 at 9:50 am
    Permalink

    Fico estupefato com tanta estupidez junta! Com outras necessidades tão mais urgentes e emergentes por concretizar e que tanto têm vindo a ser reclamadas por todos! O MTS, POR FAVOR aqui sim FAÇAM QUALQUER COISA! Já ninguém suporta o ruído nem a trepidação e muito menos o desgaste nos edifícios e as fendas nos apartamentos!

    Responder
  • Março 27, 2021 at 2:52 pm
    Permalink

    E ninguém olha para os vigilantes (segurança privada)? Estão e sempre estiveram na linha da frente em trabalho físico/presencial. Já alguém falou neles? Já alguém os convidou para serem vacinados? De manhã à noite, estão sempre lá, junto dos clientes. Alguma palavra da Camara de Almada? PS?

    Responder
  • Junho 8, 2021 at 7:36 am
    Permalink

    Parece-me que o século não está certo.

    Responder
  • Junho 8, 2021 at 7:44 am
    Permalink

    Não poderei estar presente por me encontrar a trabalhar, mas deixo aqui o meu completo desacordo com tal ideia.
    Almada ganhou uma distinção, de cidade verde, certamente por respeitar o ambiente, não podemos agora retroceder. Almada tem que mudar, mas não é assim, com soluções a pedido. A governação de um município, não pode ser feita a pedido de um qualquer.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *