Sexta-feira, Julho 19, 2024
CidadeDestaque

SIM alerta para “sério risco de encerramento” da urgência geral do Garcia de Orta

Urgência geral do Hospital Garcia de Orta está em risco de fechar, alerta o Sindicato Independente dos Médicos.

 

Depois do encerramento da urgência pediátrica noturna, também o serviço de Urgência Geral do Hospital Garcia de Orta corre “sério risco de encerramento”. O alerta é feito pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM), que esta terça-feira denunciou as “graves limitações” que se verificam no Hospital que serve os concelhos de Almada e Seixal.

Para o sindicato, a situação que se vive naquela unidade de saúde é o reflexo de “toda uma falta de investimento em instalações, equipamentos e recursos humanos, tanto mais notório quando atravessamos uma pandemia”.

Publicidade
FCT-gif-2

Em comunicado, o SIM aponta que num serviço de Urgência Geral que conta com uma “afluência média de 300 utentes por dia” e com “uma área de influência directa de 350.000 habitantes”, “não são de todo cumpridas” as recomendações acerca do “número mínimo de médicos e diferenciação das equipas, emanadas pela Ordem dos Médicos”.

O sindicato denuncia, por isso, que esta “situação dramática” acaba por se refletir na qualidade do trabalho médico e de saúde prestado à população. “Apesar de nos encontrarmos neste período de pandemia, não é admissível oferecer aos utentes, nesta altura de maior necessidade, cuidados prestados por equipas altamente desgastadas e com número insuficiente de médicos especialistas”.
Se nada for feito, “será impossível garantir a manutenção do Serviço de Urgência Geral 24h diariamente”, alerta o SIM, que aponta responsabilidades à Direcção Clínica e ao Conselho de Administração do Hospital, tal como os responsabiliza pela manutenção do encerramento do serviço de urgência de Pediatria durante a noite.
Publicidade
we-find-2

One thought on “SIM alerta para “sério risco de encerramento” da urgência geral do Garcia de Orta

  • Isabel furtado

    Muito obrigada por estas informações, pois temos o direito de saber o que se passa onde habitamos.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *