Almada assinala centenário de José Saramago

Biblioteca Municipal José Saramago, em Almada, recebe no dia 16 de novembro um conjunto de eventos que assinalam o início das comemorações do Nobel da Literatura português.

 

Esta terça-feira, dia 16 de novembro, a Biblioteca Municipal José Saramago, no Feijó, será palco de um conjunto de eventos que assinalam o início das comemorações dos 100 anos do Nobel da Literatura português.

Enquanto membro fundador da Rede de Bibliotecas José Saramago, a Câmara Municipal de Almada associou-se à Fundação José Saramago e ao Comissariada das comemorações do Centenário do Nascimento do escritor para ser parceiro nas comemorações do centenário, cuja programação se estende até 16 de novembro de 2022, contando com iniciativas distribuídas por vários domínios.

 

Assim, na Biblioteca Municipal José Saramago, no Feijó, o programa arranca esta terça-feira com a oficina “Dançando nas Palavras de Saramago” (entre as 10h30 e as 14h30), tendo como público-alvo as Escolas dos 1º e 2º ciclo. Dinamizado por Claúdia Pulquério e Telma Marreiros, tem a obra de José Saramago “A maior Flor do Mundo” como referência, propondo-se a construir uma coreografia em que cada participante cria um movimento a partir de frases retiradas do livro.

No mesmo dia, da parte da tarde terá lugar a inauguração da exposição comemorativa dos 20 anos do prémio Nobel de Literatura de José Saramago (com início às 17h30). Com curadoria da Fundação José Saramago e realização do estúdio Silva designers, a exposição apresenta fotografias de Estelle Valente, textos de Ricardo Viel e ilustrações de Gonçalo Viana, traçando um panorama da atribuição do prémio ao autor de Todos os Nomes.

Ainda no mesmo dia 16 de novembro, destaque para uma leitura encenada por André Levy e Mafalda Santos da obra de José Saramago “O Ano da Morte de Ricardo Reis”, romance no qual o escritor dá vida ao heterónimo de Fernando Pessoa. Com início marcado para as 18h, o espetáculo baseia-se numa seleção das palavras de Saramago, centrada nos diálogos entre Reis e Pessoa.

 

Almadense Rita Portugal encontrou na pintura a força para enfrentar a doença de Parkinson

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *