Almada admite usar outro tipo de pavimento nos acessos às praias a sul da Costa de Caparica

Câmara de Almada tinha previsto pavimentar os acessos desde a praia do Rei à praia da Bela Vista com o mesmo produto betuminoso utilizado na Fonte da Telha, mas mostra-se agora disponível para “estudar outras hipóteses”.

 

A pavimentação dos acessos às praias da parte sul da Costa de Caparica (entre a praia do Rei e a Bela Vista), já não vai avançar durante esta época balnear. O anúncio foi feito pelo vereador responsável pela rede viária na Câmara Municipal de Almada (CMA), Miguel Salvado (PSD), durante a reunião de Câmara realizada esta segunda-feira, em que que admitiu estar disponível para “estudar outras hipóteses” no que diz respeito ao tipo de pavimento a utilizar na intervenção.

A alteração surge após a controvérsia motivada pelo produto betuminoso utilizado pela CMA na pavimentação dos acessos à praia da Fonte da Telha, que motivou críticas de especialistas e levou à apresentação de queixas por parte de associações ambientalistas. A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT) chegou mesmo a admitir mesmo a hipótese de obrigar a Câmara de Almada a repor a situação original.

O mesmo tipo de produto estava previsto ser aplicado nos acessos às praias a sul da Costa de Caparica, mas afinal a obra não vai avançar já, adiantou Miguel Salvado, respondendo a uma questão colocada pela vereadora do Bloco de Esquerda, Joana Mortágua.

De acordo com o vereador, a situação destes acessos “é diferente da Fonte da Telha”, uma vez que aquele território é do Instituto de Conservação da Natureza (ICNF). Por isso, para que a intervenção possa avançar tem que haver “um entendimento entre ambas as partes: ICNF e Câmara Municipal”.

Segundo Miguel Salvado, o Instituto “decidiu tentar estudar outras hipóteses e nós estamos disponíveis para isso”. Por isso, a obra que estava prevista ainda não foi iniciada: “estamos neste momento num debate com o ICNF para acertar qual o tipo de pavimento”, afirmou o responsável.

 

Número de carros na Fonte da Telha poderá ser controlado

Sobre a intervenção no acesso à praia da Fonte da Telha, Miguel Salvado frisou que a “obra tem sido fiscalizada presencialmente”, tendo recentemente recebido visitas tanto da CCDR como da Agência Portuguesa do Ambiente (APA). “Todas as informações que vierem dessas entidades serão bem recebidas e analisadas. Há um acompanhamento quase diário dessa situação”, afirmou o vereador.

Argumentando que a obra está a ser “acarinhada pela população”, Salvado admitiu, contudo, dificuldades no controlo da carga automóvel presente na zona. Nesse sentido, o responsável adiantou que a autarquia tem “intenção de controlar a carga automóvel e o número de carros na Fonte da Telha”, admitindo vir a “fazer um controlo no número de carros que pode utilizar toda aquela zona”.

 

Foto: Estrada da Fonte da Telha durante a intervenção.

 

Pavimentação de estrada em zona dunar da Fonte da Telha levanta preocupação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *