Trabalhadores da Transtejo voltam à greve entre 8 e 19 de agosto

Greves foram convocadas pelas organizações sindicais e deverão afetar especialmente as horas de ponta e a última carreira da madrugada. 

 

Os trabalhadores da Transtejo vão entrar novamente em greve parcial e greve ao trabalho suplementar entre os próximos dias 8 e 19 de agosto. A medida foi convocada pelas organizações sindicais e deverá afetar tanto a ligação entre Cacilhas e Cais do Sodré como a travessia entre a Trafaria, Porto Brandão e Belém.

Tal como a greve parcial anterior, as ligações suprimidas na ligação de Cacilhas irão concentrar-se sobretudo horas de ponta e da última travessia da madrugada. Para consultar todas as travessias previstas pode fazê-lo nesta página.

No caso da ligação entre a Trafaria, Porto Brandão e Belém, prevê-se a realização de apenas duas carreiras diárias por sentido entre os dias 8 e 10 de agosto. Poderá consultar os horários previstos para os restantes dias nesta página. No mesmo período, também as ligações ao Montijo e ao Seixal serão afetadas.

Entre as reivindicações dos profissionais estão exigências de melhorias salariais, bem como das condições de trabalho. A disputa entre os trabalhadores e a empresa pública já resultou em várias greves ao longo desse período, assim como perturbações do serviço e supressões.

Entretanto, mantêm-se também as perturbações no serviço motivadas por “constrangimentos técnicos da frota”, que se arrastam já desde o passado dia 25 de julho. Por sua vez, a travessia entre a Trafaria, Porto Brandão e Belém foi retomada esta terça-feira, dia 2 de agosto, depois de ter estado sete dias interrompida devido a “motivos técnicos”.

 

 

Transtejo repõe ligação fluvial entre a Trafaria e Belém

Apoie-almadense

One thought on “Trabalhadores da Transtejo voltam à greve entre 8 e 19 de agosto

  • Agosto 5, 2022 at 4:38 pm
    Permalink

    Mais do mesmo. Cresci a ver greves da Transtejo, graças ao comunistas que não sabem fazer mais nada. Se a empresa paga mal fechem essa porcaria e abram outra empresa privada. O governo não deveria permitir empresas que pagam salários mínimos e baixos. Não é com greves à sexta feira que lá vão.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.