Ruído do metro em Almada: “É como um pequeno tremor de terra a cada cinco minutos”

Problema arrasta-se praticamente desde que o metro de superfície foi inaugurado e tem vindo a agravar-se, asseguram os moradores. Concessionária promete atuar durante este semestre.

 

Quando João Paiva comprou o apartamento que habita na avenida principal de Almada, há pouco mais de um ano, sabia que a circulação do Metro Transportes do Sul (MTS) provocava ruído, mas pensava que a colocação de janelas com vidro duplo resolveria o assunto. Investiu milhares de euros na remodelação da casa e acabou por fechar também a varanda para tentar minimizar o barulho.

“Não funcionou”, conta ao ALMADENSE o morador da avenida D. Nuno Álvares Pereira. “Não é só o ruído, é também a vibração. É como um pequeno tremor de terra a cada cinco minutos”, relata, garantindo que dorme com tampões nos ouvidos mas, mesmo assim, acorda “muitas vezes durante a noite” devido à passagem do metro.

 

O mesmo acontece com Norberto de Oliveira, residente na Av. 25 de Abril, em Cacilhas, para quem o barulho é “ensurdecedor, vergonhoso e certamente ilegal na escala da lei do ruído”. De acordo com o morador, igualmente preocupante é “a trepidação que se faz sentir no interior das habitações”, que o leva semanalmente a afastar “as loiças nos armários para que não partam”. No seu caso, já caíram dois candeeiros do teto, “felizmente causando apenas danos materiais”.

As consequências da vibração são, por isso, visíveis também nas casas: “verificam-se fendas e rachas nos edifícios e habitações que antes não existiam”, assegura Norberto de Oliveira. Além disso, há “folgas nas janelas, que tremem a cada passagem das carruagens”, relata.

Desde que entrou o MTS entrou em funcionamento, em 2008, que se acumulam queixas, petições, abaixo-assinados, ofícios e manifestações denunciando o ruído excessivo provocado pela passagem das composições. Tudo sem que tenha havido uma solução, aponta, por sua vez, Marco Sargento, membro da Comissão de Utentes de Transporte da Margem Sul, que sublinha os “impactos gravíssimos” que o ruído provocado tem na saúde da população e lamenta que “o ruído não ajude em nada à imagem do MTS, principalmente junto das populações que residem mais próximo do canal de circulação”.

Não sendo uma realidade nova, os moradores acreditam que o problema tem vindo a agravar-se. Residente junto à linha desde finais de 2006, Norberto de Oliveira acompanhou todo o decorrer da empreitada e assegura que “a deterioração tem sido visível e audível ao longo dos tempos”. João Paiva também não tem dúvidas: “a situação piorou nos últimos meses”.

 

Três horas de descanso por noite

Um dos principais problemas apontado pelos moradores é o facto de haver apenas um período de três horas de silêncio total por noite, uma vez que o serviço do MTS (concessionado ao Grupo Barraqueiro), tem início por volta das 5h30 da manhã e se prolonga até às 2h30. “Numa cidade moderna isto não pode acontecer”, defende João Paiva, lamentando que “ninguém defenda o direito das pessoas ao descanso” e sugerindo a “suspensão da circulação do metro pelo menos algumas horas durante a noite, de forma a que os moradores possam dormir”.

As perturbações do sono são, de resto, uma das principais consequências causadas pela exposição ao ruído, aponta a associação ambientalista Zero, que tem vindo a alertar para o impacto na saúde de níveis elevados de poluição sonora. A longo prazo, os problemas incluem “um aumento do nível de stress”, com consequências ao nível da “irritabilidade e surgimento ou agravamento de doenças cardiovasculares”, assinala Francisco Ferreira, presidente da associação, em declarações ao ALMADENSE.

Habituada a fazer monitorizações de ruído, a associação ambientalista admite, no entanto, nunca o ter feito em Almada porque no caso do metro de superfície “as medições implicam ir um pouco mais longe do que a simples avaliação através de meios aproximados como as aplicações de telemóvel”, que a Zero utiliza. Numa situação desta natureza, adianta Francisco Ferreira, deve-se “recorrer a um sonómetro e a períodos longos de medição. A principal razão é que uma avaliação do ruído do metro exige mais rigor, devendo ser efetuada por um sonómetro, caracterizando-se também o chamado ruído tonal (associado ao chiar das rodas com os carris), que torna o ruído muito mais incomodativo para quem está próximo ou vive nas habitações circundantes à linha”.

 

Concessionária promete atuar

O ALMADENSE procurou saber junto da Câmara Municipal de Almada que medidas tem a autarquia previstas para mitigar o ruído e a vibração provocados pela passagem do metro, mas não obteve resposta.

Já a presidente da Comissão Executiva do MTS, Ana Cristina Dourado, indicou que a concessionária irá “durante o primeiro semestre deste ano, proceder a uma operação de esmerilagem dos carris, em grande parte do percurso do metro no concelho de Almada”.

De acordo com a responsável, esta intervenção foi identificada como “a melhor medida a tomar, no seguimento de diversos estudos que têm vindo a ser efetuados por especialistas nesta matéria”. Neste sentido, “será deslocado um equipamento especial para Almada que, ao circular ao longo da linha, irá repor o perfil do carril”. Devido ao traçado do percurso, “muitas vezes sinuoso, foram produzidos desgastes anormais em alguns troços da via mais sujeitos a pressões”, prossegue Ana Cristina Dourado, destacando que a operação será “planeada e coordenada com a Câmara Municipal de Almada, pelos impactos que terá no espaço público, e ainda “amplamente divulgada antes da sua realização”.

Apesar da promessa, quem mora junto à linha mantém o ceticismo: “não creio que o problema esteja apenas no carril, mas também no próprio material circulante, que deve ser alvo de reparação”, aponta João Paiva. O morador pede também a “redução da velocidade praticada” pelas composições e defende que a substituição do empedrado poderia contribuir para “minimizar o ruído”.

 

Almada lança concurso para projeto de reconversão do antigo edifício da EDP

 

almadense-precisa

 

9 Comentários

  • Abril 23, 2021 at 11:08 am
    Permalink

    “Ingratos”, se tivessem optado por um METROBUS talvez o ruído fosse menor. Mas quando os aviões para o Montijo passarem por cima, eles “abafam” o ruído do metro.

    Responder
  • Abril 23, 2021 at 11:24 am
    Permalink

    Enquanto continuarem a chamar Metro ao Eléctrico….

    Responder
  • Abril 23, 2021 at 12:55 pm
    Permalink

    Foi pura e simplesmente plagiar outras capitais europeias, luxo de comunismo.

    Responder
    • Abril 24, 2021 at 5:37 pm
      Permalink

      É verdade eu moro em corroios e é a mesma porcaria, nao se consegue ter 5 minutos de descanso, parece q a casa treme toda e depois o facto de estar em movimento a partir das 5h30 ate as 2h30, o q quer dizer que so podemos dormir 3h sossegados…vergonhoso, tenho a casa a venda porque nao se aguenta mais isto

      Responder
  • Abril 24, 2021 at 8:21 pm
    Permalink

    Isto ainda está pior do que eu imaginava. Nasci em Almada e vivi na Avenida principal até aos 35 Anos.
    Nos Anos 70/80 gostava de viver lá. Nos anos 90 já não suportava o ruído do tráfico automóvel dia e noite. Comecei a pensar que tinha de mudar de casa qualquer dia. Quando soube que iam fazer um metro de superfície na Cidade para juntar ao caótico transito aí sim desta vez tenho mesmo de me mudar! Já não aguento mais. Ao principio quando o metro começou a circular até achei que tinha baixo ruído. Mas passado alguns anos cada vez o ruido e as trepidações eram maiores até hoje ler este artigo e verificar que ultrapassou de longe todas as espectativas negativas que eu tinha. Fui a tempo de fugir deste caos. O metro certamente que não tem a devida manutenção que deveria ter ou nunca teve.

    Responder
  • Abril 24, 2021 at 10:21 pm
    Permalink

    Desengane-se quem pensa que temos 3 horas de descanso nocturno, também sou moradora e a verdade é que o metro também circula, embora com menor frequência, fora de horário, pois oiço o metro passar às 3 e às 4h da madrugada. É uma vergonha esta anarquia ruidosa consentida que provoca graves problemas de saúde mental aos moradores por privação do sono, causando distúrbios do sono, elevando os níveis de stress e irritabilidade e consequente cansaço crónico que degeneram em doenças cardíacas. Diga-se, aliás, que Almada é uma cidade altamente ruidosa, quer de noite, quer de dia, onde a tanto a PSP como a câmara municipal se recusam a intervir. Município da vergonha!

    Responder
  • Abril 25, 2021 at 12:59 pm
    Permalink

    Fiquem descansados, com esta autarquia “socialista” não vamos a lado algum.

    Responder
  • Abril 28, 2021 at 12:56 pm
    Permalink

    Eu, assinei como é agora o meu relógio ás 05h30 dispenso o meu ..

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *