Novos passes trazem mais 42% de passageiros ao Metro de superfície em Almada

O metropolitano que opera na margem sul do Tejo foi o meio de transporte que mais cresceu com a redução do preço dos passes na área metropolitana de Lisboa.

A introdução do passe Navegante fez disparar o número de passageiros no Metro Transportes do Sul (MTS), que opera nos concelhos de Almada e do Seixal. Entre Abril e Dezembro de 2019, o metro de superfície da margem sul do Tejo transportou 11,3 milhões de passageiros, o que representa uma subida de 42% quando se compara com o mesmo período do ano passado.

Os números, fornecidos ao ALMADENSE pela Área Metropolitana de Lisboa (AML), demostram que o MTS foi o operador de transportes a subir de forma mais expressiva desde a redução no preço dos passes. A nível global, o número de utentes dos transportes públicos na região aumentou 18% entre Abril e Dezembro relativamente ao período análogo.

O comboio registou a segunda subida mais forte, vendo a desão dos utentes aumentar quase 32%. O principal crescimento no número de passageiros ocorreu na Fertagus, que assegura a ligação ferroviária entre Lisboa e Setúbal através da ponte 25 de abril.

Também o transporte rodoviário beneficiou da redução do preço dos transportes, subindo no seu conjunto 17,2%. Em concreto, a Transportes Sul do Tejo (TST), que opera na península de Setúbal, registou um aumento de 18%, alcançando um total de 29,6 milhões de passageiros entre Abril e Dezembro de 2019, segundo os números da AML. Uma subida que, para além do aumento da procura, reflete também o “aumento da fiscalização”, refere a entidade metropolitana na nota enviada ao ALMADENSE.

Finalmente, o transporte fluvial foi o que menos cresceu entre Abril e Dezembro, registando ainda assim um aumento nas validações de 7,2%. Os problemas ocorridos no segundo trimestre de 2019 terão impedido um crescimento mais elevado nas travessias do rio Tejo.

 

One thought on “Novos passes trazem mais 42% de passageiros ao Metro de superfície em Almada

  • Janeiro 28, 2020 at 12:16 am
    Permalink

    O metro, de superfície ou nao , é uma mais valia na mobilidade urbana…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *