Almada vai ter 34 novas linhas de transporte público rodoviário

Reforço acontece no âmbito no novo concurso público rodoviário, que deverá estar operacional no final de 2021.

 

No final do próximo ano, o concelho de Almada vai contar com um total de 73 linhas de transporte público rodoviário, das quais 34 serão novas, indicou ao ALMADENSE fonte da Área Metropolitana de Lisboa (AML). O reforço decorre do novo concurso para aquisição do serviço público rodoviário promovido pela AML, que vai converter Almada num dos concelhos mais beneficiados com as novas concessões de transporte rodoviário.

Divido em quatro lotes (dois na margem norte e dois na margem sul do Tejo), prevê-se que o concurso esteja concluído no final de 2021, altura em que todos os autocarros da Grande Lisboa passam a circular de amarelo, sob a marca Carris Metropolitana.

Almada integra o lote 3 (que engloba também os concelhos do Seixal e de Sesimbra), que no seu conjunto vai ter um total de 116 linhas, das quais 43 serão novas. Nesta área geográfica, a operação deverá continuar a ser assegurada pela Transportes Sul do Tejo (TST), uma vez que a operadora foi a primeira classificada no concurso internacional.

Embora tenha sido esta a rede colocada a concurso, provavelmente será ainda “revista antes da sua entrada em funcionamento, tendo em conta eventuais ajustes ao nível do território e da procura”, ressalva ainda a AML.

Atualmente responsável por todo o serviço rodoviário na península de Setúbal, a TST (detida pela Arriva) deverá concentrar operação apenas em Almada, Seixal e Sesimbra, uma vez que não concorreu ao lote 4 (que diz respeito aos concelhos de Setúbal, Palmela, Moita, Montijo e Alcochete). Esta zona passará para as mãos de um novo operador: Nex Continental, empresa do grupo que detém em Espanha a Alsa.

No arranque dos novos contratos, não serão admitidos veículos com mais de 16 anos, sendo que a idade média da frota não pode superar os 8. O requisito aumenta ao quinto ano da concessão, em que os veículos não poderão ter mais de 12 anos e a idade média exigida é de 6 anos.

Na escolha do vencedor, o fator preço pesou 85%, enquanto que a frota representou 15%. Previsto para sete anos, o novo concurso representa um investimento global que ascende a 1,2 mil milhões de euros para o conjunto dos quatro lotes.

 

Transporte público: opção sustentável

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *