Almadense Rita Portugal encontrou na pintura a força para enfrentar a doença de Parkinson

Rita Portugal descobriu na pintura uma forma de lutar contra uma doença que a deixou com dificuldades em andar e falar. No dia 13 de novembro inaugura a exposição “Telas” na SCALA – Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada.

 

“Deixei de conseguir dormir, passava a noite toda acordada. Foi quando comecei a pintar mandalas. Gastava rios de dinheiro com livros para colorir”. Nessa altura, o namorado perguntou-lhe por que não pintava as suas próprias mandalas. Foi aí que Rita Portugal começou a pintar os seus próprios quadros, iniciando-se no mundo das artes.

Diagnosticada com a doença de Parkinson há dez anos, depois das palavras de encorajamento do namorado, Rita começou a pintar galos de Barcelos e elétricos amarelos de forma autodidata.

 

Pintava-os à noite, nos quartos de hotéis, enquanto ainda trabalhava. Guia turística e intérprete durante quase 20 anos, acompanhava grupos de portugueses pelo mundo fora, além de receber muitos turistas em Portugal, por onde viajou extensivamente. Durante o dia, inventava brincadeiras com os clientes e presenteava quem ganhasse o quizz com telas pintadas por ela.

Mas em 2018 foi obrigada a parar de trabalhar. A doença, que progrediu rapidamente, impossibilitou-a de andar e falar. Dessa forma, a pintura foi ganhando espaço na vida de Rita, servindo de terapia e trazendo-lhe a companhia que tanto lhe fazia falta no dia-a-dia.

“Gosto de pessoas à minha volta, por isso pinto muito pessoas, principalmente quando estou sozinha. Dá a sensação de que são as pessoas dos autocarros onde trabalhava”, conta Rita Portugal ao ALMADENSE.

Conforme a doença foi modificando a sua vida, a temática das suas telas também. De ícones portugueses, os trabalhos desta almadense de 44 anos passaram pela arte naif, com cenas do quotidiano, cenas da vida típica alentejana, por influência dos seus pais, que nasceram na região. Também as imagens ligadas ao turismo, profissão que desempenhou com gosto por duas décadas, estão presentes na sua arte.

 

Exposição na SCALA de Almada

quadros-rita

Durante a pandemia Rita foi operada e agora está a reaprender a andar e falar. Mas nem por isso deixou de pintar. No dia 13 de novembro, a sua exposição “Telas” será inaugurada na SCALA – Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada (rua Conde Ferreira, em Almada Velha), onde estará patente até 27 de novembro.

Para a artista, as telas são uma espécie de biografia que rememoram, através da pintura, fases da sua vida e gostos pessoais. A presença de pessoas e a sua cor favorita —o vermelho— são uma constante.

Atualmente, Rita Portugal frequenta aulas de pintura da SCALA. Mas ainda não desistiu de regressar ao trabalho na área do Turismo e voltar a estar rodeada de pessoas.

 

Os quadros de Rita Portugal estão à venda na sua página “Pinturas da Rita”

 

25ª Mostra de Teatro de Almada arranca a 29 de outubro

One thought on “Almadense Rita Portugal encontrou na pintura a força para enfrentar a doença de Parkinson

  • Novembro 9, 2021 at 2:15 pm
    Permalink

    Gostei de ler aquilo que a Rita Portugal escreveu porque são poucas as pessoas que espoem os seus problemas de saúde. Direi mais ainda que a Rita fala de como combate a doença. O facto de ter um namorado que a apoia e incentiva pode-se dizer que nos dias de hoje é coisa rara. Chamou-me à atenção pois eu tenho uma doença psíquica a que chamam de bipolar tipo II (caraterística dos homens) e também cheguei à conclusão de que quando não consigo dormir procuro um trabalho que possa fazer e assim estou ocupado e a trabalhar (ocupando o meu espírito com trabalho que eu gosto de fazer e assim deixo de estar com esse pensamento), saindo desse impasse que é estar deitado e não conseguir dormir.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *