Presídio da Trafaria: Novo Instituto de Artes e Tecnologia terá investimento de 7,6 milhões

No antigo presídio da Trafaria vai nascer o Instituto de Artes e Tecnologia, uma unidade académica de dimensão internacional impulsionada pela Universidade Nova de Lisboa.

 

Já foi fortificação militar, hospital de quarentena e prisão política. Depois de décadas ao abandono, o antigo Presídio da Trafaria, no concelho de Almada, vai finalmente ganhar nova vida. Entre muralhas vai nascer o futuro Instituto de Artes e Tecnologia, uma unidade académica de dimensão internacional impulsionada pela Universidade Nova de Lisboa, que será dedicada à educação, formação, investigação e criação nas áreas das artes e tecnologia.

Nesse sentido, foi dado um passo fundamental esta segunda-feira, com a aprovação, pela Câmara Municipal de Almada, da cedência do direito de superfície do Forte de Nossa Senhora da Saúde da Trafaria (mais conhecido como Presídio) à Universidade Nova de Lisboa.

Classificado pela presidente da Câmara Municipal de Almada, Inês de Medeiros, como “fundamental para o desenvolvimento da Trafaria”, o projeto conta com um plano global de investimento por parte da Universidade Nova na ordem dos 7,6 milhões de euros. Deste montante, cerca de 40% vai destinar-se a equipamento tecnológico, avançou a autarca durante a reunião de Câmara realizada esta segunda-feira, dia 7 de setembro.

Quanto ao Edifício das Celas, continuará sob a alçada do município, que tem já em fase de finalização um projeto de reabilitação. Nesse espaço, a Câmara pretende instalar um centro expositivo dedicado à memória, “em torno da questão da utopia, da liberdade e da resistência”, adiantou Inês de Medeiros.

Com mais de 450 anos de história, há muito tempo que o imóvel, situado junto ao terminal fluvial, se encontra em avançado estado de degradação. Foi adquirido pela Câmara de Almada durante a presidência de Maria Emília de Sousa (CDU), na altura com o objetivo de ali instalar uma escola de hotelaria, projeto que acabaria por ser abandonado.

 

Trafaria: quando a “interioridade” tem vista para Lisboa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *