“Ninguém vai retirar o pavimento da Fonte da Telha até haver uma solução definitiva”

Admite que a pavimentação da estrada da Fonte da Telha foi uma solução “provisória”, mas receia que, “como em tudo na vida em Portugal, o provisório se torne definitivo”. Na segunda parte da entrevista ao ALMADENSE, o vereador responsável pela rede viária na Câmara Municipal de Almada, Miguel Salvado (PSD), apresenta os planos da autaquia para a Fonte da Telha e defende as opções do município em termos de mobilidade ciclável.

 

A FCT fez um estudo sobre a intervenção feita no acesso à Fonte da Telha que indica que a estrada é provisória. O pavimento vai mesmo ser retirado?

O que o estudo diz é que aquilo é uma situação provisória até haver uma solução definitiva. Numa solução definitiva a estrada provavelmente não estaria ali. Teria que recuar e ter outra configuração, mas para isso é preciso retirar as casas que lá estão. Já toda a gente percebeu que ninguém vai arrancar o pavimento até haver uma solução definitiva. Não vamos arrancar para voltarmos à lama, à poeira, à porcaria e à desorganização. O estudo veio comprovar que é uma solução provisória. O meu receio é que, como em tudo na vida em Portugal, o provisório se torne definitivo.

 

O que defende a autarquia para o futuro daquela zona?

A Câmara quer a requalificação da Fonte da Telha. Se tiver que haver demolições que as haja, desde que seja para requalificar e para melhorar. No entanto, nós queremos que as pessoas que moram na Fonte da Telha, que são originárias de lá e que moram lá (não aquelas que fazem lá férias) há 20 ou 30 anos possam lá continuar. Com melhores condições, talvez noutro tipo de habitação, mas que se mantenham na Fonte da Telha.

 

A Câmara está de acordo com a demolição das casas?

O Plano da Orla Costeira (POC) prevê a demolição e retirada daquilo tudo. Mas, para isso, tem que haver vontade política central. Porque do lado do município há essa vontade. As pessoas são donas dos terrenos, mas aquilo são terrenos rústicos. Não são de construção, exceto numa zona pequena. O que a Câmara quer é que haja um plano de urbanização da Fonte da Telha. O município tem andado a tomar a dianteira neste assunto, até com todos os custos políticos. Se não fôssemos nós a arranjar aquela zona, a trazer o assunto e a forçar para se arranjar uma solução, se calhar não havia nenhuma solução.

 

Quanto à empreitada prevista para a Avenida do Mar, na Charneca de Caparica, quando irá avançar?

Pedimos autorização para fazermos a obra ao Instituto para a Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), que deu parecer favorável condicionado a alterações como a retirada da iluminação pública, porque consideram ser zona de mato, para proteger fauna e flora. Tanto que o preço acabou por ser mais baixo do que o previsto inicialmente: vai ficar em 2,7 milhões de euros porque houve uma reformulação. Se tudo correr bem, podemos ter os trabalhos preparatórios no terreno durante o verão. Estamos a falar numa obra que pode durar um ano e meio, cerca de 500 dias.

 

O projeto que foi divulgado coloca a ciclovia no passeio. Portanto, peões e bicicletas na mesma via. Porquê esta opção?

Foi uma opção de projeto porque ali, à semelhança do que está a ser feito em Lisboa, criámos uma zona mista: dá para pessoas e bicicletas. Tem 2,2 metros de ciclovia, mas também tem passeio porque a largura entre a faixa de rodagem e as casas é maior.

 

Associações de mobilidade urbana como a Mubi criticam a opção de colocar a ciclovia no passeio, dizendo que provoca conflitos e insegurança para os peões. Como comenta?

Nós estamos a fazer o que está a ser feito em Lisboa e noutros sítios. Penso que eles não perceberam bem o projeto, sinceramente. O que nós aqui temos é um pouco o que acontece na zona do Campo Grande: de um lado uma zona de ciclovia e, do outro, passeio para as pessoas.

 

avenida-mar
Aspeto atual da Avenida do Mar, na Charneca de Caparica. 

 

Em Lisboa estão neste momento a ser feitas várias ciclovias segregadas, destinadas apenas à circulação de bicicletas.

Na Avenida do Mar a ciclovia vai ter fisicamente um aspeto diferente. Vai ter uma separação de cor e de pintura. A parte de ciclovia vai ter uma cor e o passeio vai ser em pavê, não em calçada. Agora há uma coisa que acontece, mas isso já tem a ver com a educação das pessoas, que é: as pessoas gostam de andar no meio das ciclovias a pé, aí é outra história.

 

Acha que a forma como foi desenhada garante a segurança?

Penso que sim. Mas é como em tudo na vida: se as pessoas quiserem ir para o meio da ciclovia a pé como acontece em muitos sítios…

 

Se a ciclovia é no passeio é fácil que isso aconteça porque os peões circulam no passeio.

Temos uma faixa pintada, com indicações, com sinalização, agora vamos ver o que as pessoas fazem. Esse é um debate complicado. Optámos por esta opção devido ao espaço que é, por termos paragens de autocarro, porque o espaço não estica. O que os técnicos nos dizem é que é a adequada. Nós pensámos nesse assunto com muita calma porque queríamos criar condições para ambos, mas vamos ver.

 

Este modelo de vias “ciclopedonais” foi usado também nos percursos escolares cicláveis na Sobreda. Vai ser mantido?

Há zonas onde o espaço é pequeno e, para termos a mobilidade ligeira, em bicicleta, não temos outra hipótese do que criar essas zonas mistas. O projeto dos percursos escolares cicláveis foi feito por especialistas. Se os técnicos dizem que aquela é a única forma, nós aceitamos. Sabemos que este tipo de soluções cria sempre reclamações, mas tentamos que haja um equilíbrio entre todas as partes.

 

Costuma andar de bicicleta em Almada?

Ando de bicicleta também em Almada. Faço mais bicicleta de estrada, mas admito que em Almada não é fácil, até por outro motivo: em Almada temos algumas ciclovias unidirecionais com muitos obstáculos pelo caminho. Os ciclistas gostam de ter ciclovias com alguma largura e que sejam em contínuo: não ter que parar com os passeios, contornar canteiros…

 

Concorda que falta uma rede estruturante de vias cicláveis em Almada?

É isso que estamos a tentar fazer. Aos poucos e poucos estamos a tentar incluir ciclovias em todos os projetos onde há espaço. Mas por vezes não conseguimos. Por exemplo, na renovação da estrada nacional 377, na Charneca de Caparica. Aí, ou púnhamos passeio para as pessoas circularem, paragens para os autocarros, estacionamento ou então ciclovia. E a opção foi não fazer ciclovia.

 

Leia também a primeira parte da entrevista, em que o vereador Miguel Salvado explica os planos da autarquia para o eixo central de Almada e para a estrada Florestal.

 

Vereador da mobilidade em Almada: “Vamos ter duas vias de trânsito no eixo central sempre que possível”

4 Comentários

  • Fevereiro 26, 2021 at 12:57 am
    Permalink

    Nas principais cidades europeias, reduz – se o trânsito automóvel, em Almada aumenta – se o número de vias. Está tudo dito. Não façam mais nada, que depois vai ser preciso corrigir. Olha gastem o tempo e o dinheiro dos munícipes nas que tem deixado deteriorar. Agradecemos.

    Responder
  • Fevereiro 26, 2021 at 10:07 am
    Permalink

    Finalmente se lembraram que estamos num País mais ou menos civilizado
    A Fonte da Telha assim como as praias da Costa da Caparica merecem uma atenção no que concerne aos acessos que são uma verdadeira vergonha para quem se desloca as maravilhosas praias da Costa
    O Ministerio do Ambiente e a CM Almada tem que intervir na demoliçao das muitas construções ilegais que são uma verdadeira vergonha
    Na Fonte da Telha ninguem fala das construções ilegais junto a Arriba Fossil e não só sao um atentado a paisagem
    O que faz o departamento da Arriba Fossil?
    Porque não ha demolições como tem havido no Algarve??? E noutros locais
    Haja coragem de fazer o que tem que ser feito
    Porque não há nos acessos as praias dois sentidos destintos para evitar os cruzamentos? Há falta de terreno para fazer as vias?
    Afinal não houve cheias como diziam que iam acontecer e este ano tem chovido muito ( os arautos da desgraça e ate ficaram contentes por não haver pó)

    Haja coragem de melhorar os acessos e ordenar as construçoes clandestinas que são uma verdadeira vergonha

    Responder
  • Fevereiro 26, 2021 at 3:16 pm
    Permalink

    Quanto a Fonte da Telha já deveriam ter demolido a muito tempo todas ou quase todas as casas e restaurantes ilegais. Não venham com conversas, demolir e pronto. Pois os proprietários sabem muito bem que construíram ilegalmente. Portanto não tem direito a escolha.
    Quanto a avenida da charneca, deviam sim pavimentar e limpar a charneca da Caparica toda. É uma vergonha para que lá mora, como o meu caso,todos os dias deparo me com buracos novos, lixo por todo lado, passeios cheios de erva, desnivelamentos no pavimento.. Etc etc
    Ganhem coragem e gastem o dinheiro que os contribuintes pagam em situações correctas e de melhoramento das vias, limpeza, entre outras coisas..

    Responder
  • Março 4, 2021 at 12:25 am
    Permalink

    A Fonte da Telha é, quanto a mim, das praias mais lindas de Portugal e, de certeza, a mais desprezada de todas! Faz todo o sentido que as diversas entidades se entendam de uma vez por todas e resolvam os diversos problemas que existem naquela zona – mas que não demorem 50 anos a ultrapassá-los como é usual no nosso país! A Fonte da Telha merece esse esforço!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *