Menos 200 mil consultas nos centros de saúde de Almada e Seixal até Setembro

Quebra nos atendimentos presenciais é de 40% quando se compara com o mesmo período do ano passado. Consultas à distância continuam a aumentar, reflexo da pandemia de Covid-19.

 

Nos primeiros nove meses do ano realizaram-se nos centros de saúde de Almada e Seixal menos 197 mil consultas presenciais do que no ano passado, o que representa uma descida de perto de 40% quando se compara com o período homólogo.

De acordo com dados do Portal de Transparência do SNS, analisados pelo ALMADENSE, tiveram lugar até Setembro 312 mil consultas nos centros de saúde de ambos os concelhos, um número muito abaixo das 509 mil consultas realizadas no mesmo período de 2019.

Ainda assim, as consultas no ACES Almada-Seixal estão a recuperar desde Abril, mês em que se realizou o menor número de consultas presenciais nos cuidados de saúde primários dos dois concelhos: apenas 17 mil.

Durante o mês de Setembro tiveram lugar mais cinco mil consultas face ao mês anterior. No entanto, apesar do crescimento, os números são ainda insuficientes para recuperar todos os atendimentos a utentes que terão ficado por fazer.

 

Consultas não presenciais quase duplicam

Em aumento estão as consultas feitas à distância: nos primeiros nove meses do ano realizaram-se 325 mil atendimentos por telefone, o que representa um aumento de 42% quando comparado com o mesmo período do ano passado, em que se realizaram 190 mil consultas nestes moldes.

No mês de Setembro este tipo de atendimento já representava cerca de 60% do total de consultas nos centros de saúde de Almada e Seixal. Foram atendidos 49 mil utentes à distância e 33 mil presencialmente, o que evidencia uma alteração no tipo de resposta dado pelos serviços de saúde motivado pela pandemia de Covid-19.

 

Número de internados com Covid-19 no Garcia de Orta duplicou num mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *