Dores Meira quer acabar com o “retrocesso dos últimos quatro anos” em Almada

Autarca apresentou candidatura à presidência da Câmara Municipal de Almada na companhia do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa.

 

A candidata da CDU à presidência da Câmara Municipal de Almada, Maria das Dores Meira, quer colocar um ponto final ao “período de retrocesso a que Almada foi condenada nos últimos quatro anos” devido à gestão feita pelo Executivo PS-PSD. A intenção foi expressa durante a apresentação da candidatura da atual presidente da Câmara de Setúbal ao município almadense, realizada esta sexta-feira.

Diante de centenas de apoiantes, que encheram a praça da Liberdade, em Almada, a candidata da CDU traçou como objetivos “recuperar o diálogo com associações, empresas e escolas” de Almada, “resolver os problemas da habitação”, “acabar com as barracas” ou lançar “medidas de apoio a idosos, famílias e crianças”.

 

Invocando o trabalho autárquico que em Setúbal lhe permitiu assegurar três vitórias consecutivas, Maria das Dores Meira defendeu que “Almada não admite ser colocada à margem”, assumindo também o compromisso de lutar para “recuperar a identidade almadense” e “afirmar o concelho na Área Metropolitana de Lisboa”.

A candidata, na qual a CDU deposita a esperança de recuperar a autarquia (perdida em 2017 para o PS por poucas centenas de votos), afimou ainda que pretende lutar no sentido de “retirar o metro de superfície do centro de Almada, para que passe a circular debaixo da terra”. Defendeu também a “expansão do metro de superfície até à Costa da Caparica e ao Seixal”, o reforço da qualidade dos transportes públicos e a criação de uma “rede municipal de modos suaves”.

 

“Competência tem hora marcada em Almada”

“Quatro anos de gestão PS sobraram para ver como Almada andou para trás na vida cultural, no apoio ao movimento associativo, na qualidade dos serviços públicos”, afirmou, por sua vez, Jerónimo de Sousa, juntando-se às críticas feitas à gestão socialista levada a cabo nos últimos anos em Almada.

Depois de destacar a “importância do poder local nas conquistas de Abril”, o secretário-geral dos comunistas acusou ainda o PS de “muita propaganda, muita promessa, mas pouco ou nada feito”.

Por sua vez, António Matos, atual vereador da CDU na Câmara Municipal de Almada, defendeu a candidatura de Dores Meira para “relançar Almada para um novo patamar de desenvolvimento, na linha da frente dos municípios progressistas portugueses”.

Para além da representante comunista, concorrem à presidência da autarquia almadense Nuno Matias (PSD) e Joana Mortágua (Bloco de Esquerda), sendo que a atual autarca, Inês de Medeiros (PS) também deverá ser candidata nas eleições que ocorrem em Setembro ou Outubro.

 

Foto: CDU Almada

 

Sete praias da Costa da Caparica com Bandeira Azul em 2021

4 Comentários

  • Maio 2, 2021 at 9:05 am
    Permalink

    Tenho muitas dúvidas que a atual presidenta se candidate. É que a CMA dá muito trabalho.

    Responder
  • Maio 3, 2021 at 12:58 pm
    Permalink

    Retrocesso ? Sim, foi com 47 anos de Estalinismo na cidade. O PCP deu á cidade um albergue silencioso e dormitório .

    Responder
  • Maio 4, 2021 at 3:48 pm
    Permalink

    Quem vier só pode fazer melhor. E não se podem esquecer da pseudo cidade da Costa da Caparica: uma riqueza subestimada por todos os antecessores da Câmara de Almada que nem para as praias que se intitulam de Almada fazem nada. Esta pseudo cidade foi sempre esquecida pela Câmara. Gastaram os nossos impostos numa Rua descaracterizada que não condiz com uma Vila de Pescadores e Agricultores mas com uma cidade do ano 2050. Uma pseudo cidade que não sabia que tinha uma IPSS na Costa a ajudar os pobres e os carenciados de alimentos e educação. Sem partidarismo, aceito democraticamente quem vier por bem.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *